sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Quantas vezes...

Quantas vezes, em sonho, as asas da saudade 
Solto para onde estás, e fico de ti perto! 
Como, depois do sonho, é triste a realidade! 
Como tudo, sem ti, fica depois deserto! 
Olavo Bilac