terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Se até hoje...


Como mulher sequer senti o clarão 
no coração do sol ou da lua, 

Foi porque nua, crua e pura, ali, 
bem no meio da rua, a minha
Alma espreitava, esperançava e 
esperava para se vestir da tua!
Guria da Poesia Gaúcha