quinta-feira, 19 de março de 2015

às vezes zombo de...






às vezes zombo de mim mesmo ao término de uma 
inteligente e aguçada constatação.
Ermitão do insólito, poeta da dúvida
Entretanto duvido a dúvida por ser dúvida
fruto de uma premissa lógica 
Mas nego, afirmo e não duvido de nada
Prisioneiro sem grade desse silêncio eterno.

Raul Seixas