segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Xanana (Turnera ulmifolia L.)

Conhecida também como flor do Guarujá, turnera, albina.



Alguns gêneros são utilizados como antinflamatório, antidepressivo e calmante, pela produção de substâncias aleloquímicas, que são muito utilizadas na medicina popular.

O estudo e a identificação dos seus microrganismos endofiticos torna-se importante pelo seu potencial biotecnológico para aplicação na agricultura e na medicina.

Na medicina é empregada no tratamento de acne, tumores, diabetes, albuminúria, amenorréia e processos inflamatórios do sistema respiratório.

O seu óleo essencial inibe o crescimento de fungos do gênero Trichophyton, Microsporum e Epidermophyton.

Considerada planta invasora em solos cultivados, conseqüência da fácil dispersão das sementes.

Apresenta efeitos psicoativos e terapêuticos com propriedades tônica, estimulante, afrodisíaca, diurética, expectorante e adstringente.

A espécie Turnera diffusa, conhecida como ‘damiana’ foi muito usada pelos Astecas como remédio contra a impotência.

Os Maias usavam-na para estimular o prazer sexual e os índios da América do Sul, a usavam como chá curativo.

A turnera é usada também como essência floral, indicada para pessoas instáveis que se fecham dentro de si mesmas.


Para artrite o uso da flor em infusão com álcool a 70% e passar com algodão no local 2-3 vezes ao dia

Pesquisas com a Xanana:
O HIV (Vírus da Imunodeficiência Adquirida) tem nova opção de tratamento. O Departamento de Farmácia da UFMA desenvolve há 18 anos um fitoterápico à base da planta Chanana para utilização em soropositivos.

O chá feito a partir da raiz da planta é muito usado no sertão nordestino com um poderoso anti- inflamatório